Ensino superior

Desabafo da esposa de um professor da UNIB

Atualizada em 10/02/2009 17:20

Em e-mail, esposa de um professor da UNIB faz desabafo. Trata-se da resposta ao comunicado encaminhado pelo reitor aos professores. Reproduzimos abaixo.

“Magnífico Reitor,

Em atenção ao e-mail enviado em 09/02/2009, quem vos escreve é a esposa de um professor com nata vocação, com experiência de mais de 20 anos na área acadêmica e sempre muito respeitado por este meio.
Apelo por sua sensibilidade e compreensão em analisar que a assertiva de Sêneca: "Conhecemos os bons marinheiros nas tempestades", é incontestável, porém não há marinheiro que resista à dificuldade em manter-se dignamente.
Seria justo um marinheiro humilhar-se para ter comida em sua mesa? Que marinheiro aguentaria a tempestade, sabendo que seus dependentes (filhos, pais idosos) passam por sérias necessidades, impossibilidade de sequer consultar um médico (planos de saúde cortados), filhos passando para escolas do ensino público (impossibilidade de pagamento de matrículas e mensalidades), dificuldade em acerto de crédito bancário (o mesmo problema enfrentado pela Instituição, porém por situações diferentes, pois tal marinheiro que sempre honrou por seus compromissos, hoje encontra-se no SPC, assim como eu, que tive meu nome "sujo".) Que marinheiro aguentaria passar por sentimentos de esperança e em seguida ao de desespero, pela falta de cumprimento de promessas (por repetidas vezes desde o fatídico 22 de dezembro de 2008, junto ao DRT)? Promessas estas passadas a seus marinheiros por meio do Sindicato de Classe, ou pelo RH da Instituição.......ora.....onde está o capitão desta embarcação?
Os marinheiros e suas famílias aguardaram até o final de janeiro para ouvir palavras do seu capitão.....por onde ele esteve? Porque aparecer somente quando o naufrágio já encontrava-se quase que irreversível?
Não seria mais apropriado o ditado popular "Tapar o Sol com a Peneira"? Porque tentar mostrar a população inverdades? Porque fingir que não há greve? Porque desmentir o fato de existiram docentes sem receber desde novembro de 2008? Uma embarcação só pode estar em calmaria, quando todos, Marinheiros e Capitão, enxergam uma mesma realidade. Acobertar um "buraco no casco" leva ao naufrágio da mesma forma.
Agradeço sua atenção pelo desabafo de quem vive uma triste realidade e que espera poder contar com a compreensão de que não devemos julgar seus funcionários por uma simples "assertiva", antes de analisarmos a situação em que estes e seus familiares encontram-se.
Grata”