Geral

Reunião no Ministério Público discutirá afastamento de professoras gestantes

Atualizada em 18/08/2009 17:24

O Ministério Público do Trabalho marcou para o dia 19/08, às 15h, audiência de mediação para tratar das professoras gestantes. A audiência foi marcada a pedido da Federação dos Professores do Estado de São Paulo - FEPESP, que defende o afastamento temporário das gestantes e uma definição mais clara do poder público.

Devem participar da reunião o sindicato das escolas privadas de São Paulo e representantes das secretarias de Educação e de Saúde do Estado.

"Terceirização" de responsabilidade
O pedido de intervenção do Ministério Público tem como objetivo garantir a saúde das professoras gestantes e exigir que a Secretaria de Saúde se posicione claramente: se a situação é grave, todas as gestantes devem ser afastadas.

Na avaliação da FEPESP, a Secretaria da Saúde não pode limitar-se a recomendações e delegar às empresas o poder de decidir quem pode e quem não pode trabalhar. Para Celso Napolitano, presidente da entidade, "o governo estadual está "terceirizando" uma responsabilidade que é sua. Estamos tratando de uma questão de saúde pública, que exige uma política de Estado".

Fonte: FEPESP