Ensino superior

Os professores de SP no Censo de Ensino Superior 2008

Atualizada em 03/12/2009 16:36
Por Silvia Barbara

A divulgação do Censo de Ensino Superior mostrou dados importantes sobre o trabalho dos professores em São Paulo. Entre eles, diminuição no número de funções docentes e aumento na relação entre professor e número de alunos. O número de professores com mestrado caiu em números absolutos e relativos.
Confira os principais resultados sobre o trabalho docente nas instituições privadas do Estado:

Número de funções docentes / relação com o número de matrículas
Comparado com 2007, o Censo indica queda de 1,7% no número de funções docentes nas instituições privadas do Estado de São Paulo. Em 2007, foram contabilizados 60.593 postos contra 59.569 em 2008.

Por outro lado, houve aumento do número de matrículas (4,4%) e o resultado não poderia ser outro: na relação entre matrícula e funções docentes houve um acréscimo de 6% em relação a 2007.

Em 2003, havia 17 alunos matriculados por função docente e em 2008, 20,9 (um acréscimo de 23%). Além de contínua, essa elevação é mais acentuada em São Paulo do que na média nacional da rede privada.



Número de funções docentes no ensino superior privado do Estado de São Paulo

2003

2004

2005

2006

2007

2008

54.218

57.410

57.250

58.116

60.593

59.569




Regime de trabalho
O regime de contratação predominante ainda é o de hora-aula: 57% dos professores do ensino superior privado trabalham por hora-aula, 21,7% em tempo parcial (20 horas) e 21,3% em tempo integral (40 horas).

Comparado aos resultados de 2007, aumentou a contratação por tempo integral e diminuiu o número de professores aulistas.

Regime de contratação nas instituições privadas de ensino superior do Estado de São Paulo nos Censos de 2007 e de 2008

 

2007 2008

Número

Participação sobre o total

Número

Participação sobre o total

Hora-aula

35.931

59,3%

33.943

56,98%

Tempo Parcial

12.940

21,36%

12.926

21,7%

Tempo Integral

11.722

19,35%

12.700

21,32%

Com a queda verificada em 2008, o percentual de professores aulistas voltou ao mesmo patamar de 2002. Entre 2003 e 2007, a participação dos aulistas no conjunto dos professores permaneceu em torno de 60% .

Um outro dado que merece atenção é a diferença entre as instituições particulares e as confessionais. Analisadas separadamente, as particulares têm uma maior participação de professores aulistas do que as confessionais.



Titulação
Segundo o Censo de 2008, a titulação predominante nas instituições privadas de São Paulo é o mestrado (39,6%) seguida de especialização (29,5%). Professores com doutoramento vêm em terceiro lugar e representam 19,2%.

Comparados aos dados de 2007, os números revelam que há menos graduados e mestres e mais especialistas e doutores. Como mostra a tabela abaixo, a mudança deu-se em valores absolutos e relativos.

Titulação dos professores nas instituições privadas de ensino superior
do Estado de São Paulo - Censos de 2007 e de 2008

 

2007

2008

Saldo

Número

Participação sobre o total

Número

Participação sobre o total

2007/2008

sem graduação

15

0%

4

0,01%

- 11

graduado

7.851

13%

6.926

11,6%

- 972

especialização

17.254

28%

17.597

29,5%

+ 307

mestrado

24.500

40%

23.618

39,6%

- 815

doutorado

10.973

18%

11.424

19,2%

+ 446

A maior queda ocorreu entre os professores apenas graduados: o Censo 2008 revela redução de 972 funções docentes (13% em relação a 2007). A diminuição do número de mestres foi da ordem de 3% (menos 815 funções docentes).

Houve um acréscimo de 446 postos (+ 4% em relação a 2007) com titulação de doutoramento e de 307 de especialistas (+ 2%).

Essa variação pode ser explicada por dois fatores: obtenção de um grau de maior titulação de parcela do corpo docente e também pela rotatividade nas instituições privadas.

O ensino superior privado no Estado de São Paulo
Os mantenedores no Estado de São Paulo não têm do que se queixar. As IES paulistas respondem por 24% do número de instituições; 31% dos cursos e 32% das matrículas do ensino superior privado de todo o país.

No Estado, concentra 90,3% do número de instituições, 88% dos cursos e 86,5% das matrículas.

De 2007 para 2008, o número da insituições passou de 496 para 485, indicando que o setor, ainda muito pulverizado, tende a se concentrar.

O setor continua crescendo, mas em ritmo menos acelerado. Em 2008, o número de matrículas cresceu 4,4%, passando para 1.210.714.




Fonte dos gráficos: MEC/INEP, Censo do Ensino Superior 2008