Sesi/Senai

SINPROs propõem mudanças no plano de carreira do SESI

Atualizada em 23/08/2007 10:07

Os Sindicatos de Professores (SINPROs) e a FEPESP reuniram-se dia 07/08 com o SESI para propor alterações no plano de carreira dos professores. As entidades questionaram os critérios de “elegibilidade”, que determinam a possibilidade de ascensão na carreira através de uma avaliação. Atualmente, a habilitação para a prova está condicionada a exigências que estão longe de avaliar a capacitação profissional do professor.

“Nenhum professor que permaneceu em licença superior a quinze dias no ano tem direito a realizar a prova. Se ele recebeu advertência nos últimos dois anos ou acumulou 90 minutos de atraso em um ano, ainda que justificadamente, também não pode”, aponta o professor Rubens Abdal, do SINPRO Campinas. Ele defende o fim das restrições: “Queremos que o professor tenha direito de participar da avaliação em qualquer hipótese, sem restrição”, completa o diretor.

Os SINPROs e a FEPESP defenderam ainda que o tempo de serviço passe a integrar os critérios de ascensão no plano de carreira. As normas atuais reconhecem apenas a avaliação por meio de prova e a titulação (especialização, mestrado, doutorado).

A divulgação e o acesso à bibliografia adotada para as provas de acesso e progressão também foram objetos de discussão.

Vagas
A progressão no plano de carreira também está condicionada à disponibilidade de recursos orçamentários. As entidades sindicais defenderam o fim dessa vinculação, que poderia limitar o regime de ascensão do professor, ainda que ele tivesse cumprido todos os requisitos.

Os sindicatos querem ainda a divulgação do número de vagas disponíveis em cada nível de ensino, quando da realização da prova de ingresso. Hoje, o processo de seleção é aberto sem que o professor conheça o número de vagas oferecidas, o que resulta em pouca transparência.

O papel dos SINPROs
O plano de carreira é uma das mais antigas bandeiras de luta dos professores. Ele foi implantado em 2003 com normas exclusivamente definidas pelo SESI, ainda que na época os sindicatos tivessem conseguido intervir em algumas questões. (por exemplo, o fim de critérios subjetivos de progressão).

As propostas que os SINPROs e a FEPESP apresentaram são resultado das observações feitas pelos professores e encaminhadas aos sindicatos. O SESI deverá avaliar as propostas e se pronunciar na próxima reunião, em data ainda a ser marcada.

FONTE: FEPESP, com base em informações publicadas pelo SINPRO-CAMPINAS