Geral

É preciso rever a escola e o trabalho docente

Atualizada em 24/08/2007 17:08

Para o Prof. Luís Carlos de Menezes, o atual momento pede uma reflexão profunda da sociedade brasileira. “Podemos ter uma educação melhor se soubermos reverter o revés social”, disse durante palestra sobre as perspectivas para o professor do futuro, realizada no SINPRO-SP no último dia 23/08. Na análise do professor da Universidade de São Paulo, é preciso fazer um enfrentamento dessas questões no momento que se discute a educação e o trabalho docente para os próximos anos.

Segundo Menezes, hoje a educação está sendo muito mais tratada como serviço do que como um direito. “A escola não pode ser só negócio, tem que ser realização humana”, enfatizou. Para ele, a escola precisa construir seu trabalho valorizando e preparando seus professores diariamente, pois escola boa é aquela onde o professor está feliz.

Ao ser questionado sobre o papel do professor, Menezes explicou que é preciso fugir de projetos que selecionam, nivelam e domesticam os alunos. O papel do professor deveria estar em formar pessoas cultas, críticas, inteligentes, analíticas e diferentes.

Ele apontou a necessidade de que o professor esteja de fato comprometido com sua profissão, sem que isso seja um fardo, algo ruim; viver para a cultura e ver isso como algo bom, prazeroso. Para Menezes, é preciso adotar a mentalidade do viver para quê, não apenas de quê. “A indigência da profissão docente tem que acabar ou ela termina com a profissão”.

Quanto ao uso das novas tecnologias na educação, o Prof. Menezes foi enfático ao dizer que o livro ainda é a “tecnologia” mais eficaz e que, mesmo não sendo tão novo assim, ele não é de todo bem utilizado como deveria. Mas reconheceu que as novas ferramentas, como o computador, podem colaborar com o trabalho docente.

Em breve o SINPRO-SP disponibilizará conteúdo especial sobre a palestra em vídeo aqui no site.